Notícias

Construtechs e a transformação do setor

As Construtechs são startups que produzem soluções tecnológicas para a cadeia produtiva da construção civil. Elas buscam resolver as “dores” de empresas como mineradoras, construtoras, empreiteiras, indústrias de materiais, imobiliárias, empresas de arquitetura e até governos, além do consumidor que compra, aluga ou administra imóveis, facilitando rotina dos profissionais que trabalham nessas áreas e beneficiando o produto final entregue aos clientes.



De acordo com Bruno Loreto, head da Construtechs Ventures a construtech vai ser uma das indústrias que mais vão se destacar em 2018 e 2019. O objetivo da Construtech Ventures é incentivar a criação de novas startups, a partir da identificação de problemas, concepção de equipes e projetos e investimento financeiro para que o negócio formado possa escalar.



Em quais áreas as Construtechs já estão presentes?



No final de 2017, a Construtech Ventures mapeou a existência de mais de 250 Construtechs só no Brasil. Elas oferecem serviços e tecnologias para serviços como:



• Gestão de canteiros de obra



• Aluguel de equipamentos



• Orçamento de obras



• Gerenciamento de resíduos



• Segurança do trabalho



• Maquetes interativas e modelos 3D imersivos



• Reformas e decoração de interiores



• Prospecção de terrenos e lotes



As possibilidades de inovação para quem está disposto a desenvolver soluções para a construção civil são infinitas. Como a atuação das Construtechs é relativamente recente, quem resolve se aventurar na área não encontra grandes players ou concorrentes que já dominem o mercado. Aos poucos, a construção civil inicia um boom tecnológico que não está só aumentando a produtividade e a qualidade dos bens produzidos pelo setor, mas atraindo grande quantidade de investimentos nacionais e internacionais.



No mundo inteiro, as 100 principais construtechs geraram mais de 170 milhões do dólares em negócios durante 2017. A identificação dessa oportunidade vem chamando a atenção das grandes construtoras brasileiras – como a Andrade Gutierrez, que lançou um programa de incentivo a startups (a aceleradora Vetor AG) com o intuito de desenvolver e testar em campo tecnologias para reduzir custos, mão de obra e a duração de seus projetos.



Como as Construtechs podem ajudar o setor da Construção?



Das pequenas, médias e grandes empresas, existem centenas de construtoras e empresas de engenharia só no Brasil. Apesar do setor representar 13% do PIB global e empregar 8% da força de trabalho em todo  mundo, a taxa de desperdícios é alta e produtividade do trabalhador é extremamente baixa, principalmente quando comparada a outras áreas da economia.



Isso ocorre devido a um fator principal: a indústria da construção civil não acompanhou o ritmo de revolução tecnológica dos outros setores, como comércio e serviços. Enquanto já existem bancos 100% digitais, carros autônomos e smartphones com reconhecimento e leitura facial integrados, os canteiros de obras ainda contam com equipamentos poucos produtivos, pouca conexão com os escritórios e muitos processos ainda são feitos no velho “papel e caneta”.



As Construtechs têm papel fundamental na transformação dessa realidade. O desenvolvimento de tecnologias específicas para a construção civil contribui para que as demandas de toda a cadeia produtiva possam ser supridas, de forma cada vez mais acessível e abrangente. Depois de um período de crise na construção civil e queda vertiginosa nos negócios e vendas, a tecnologia é o que o setor precisa para retomar o fôlego e alcançar um novo patamar de produtividade e geração de renda.



Fonte: Construct